Voltar

Conheça São Bento do Sul

* Clique para ampliar

Sobre a cidade
São Bento do Sul é um município brasileiro do Estado de Santa Catarina. Localizado na latitude 26º15'01" sul, longitude 49º22'43" oeste e altitude de 838,39 metros, sua população em 2009 era estimada em 76.514 habitantes.
A distância rodoviária até a capital do estado é de 250 quilômetros.

Economia
A economia de São Bento do Sul é essencialmente industrial, com destaque para o ramo moveleiro, que respondia até recentemente pela maior fatia de exportações do setor no Brasil. Porém, após um período de turbulência econômica, aliada a concorrência internacional e a baixa cotação do dólar, fez com que o setor perdesse mercados, levando ao fechamento de empresas e a redução de postos de trabalho.
Outros setores importantes da economia são metalurgia de transformação, fiação e tecelagem, cerâmica, plásticos, indústrias de componentes para móveis e máquinas para madeira, escovas e vassouras.

Geografia
Localizada no planalto Norte de Santa Catarina, limita-se diretamente com os municípios de Rio Negrinho a oeste, Jaraguá do Sul a sudeste, Corupá a sul e sudeste, Campo Alegre a nordeste e o estado do Paraná a noroeste.
A altitude em relação ao nível do mar é de 838,39 metros no centro da cidade, de acordo com a RN (referência de nível) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE – localizado na Praça Getulio Vargas.

A altitude máxima nos limites do município é de 1110 metros, localizada a 049º15’W e 26º17’S, próximo às nascentes dos rios Natal, da Vargem e do denominado Ribeirão da Pedra Alta, na localidade de Rio Vermelho (Bechelbronn), de acordo com o levantamento planaltimétrico da Força Aérea Americana, de 1966, constante no mapa 2869/3 do IBGE.

A menor altitude registrada no mesmo mapa é de 100 metros no nível e às margens do rio Humboldt, na localidade de Bompland, divisa entre São Bento do Sul e Corupá, coordenadas 049º15’W e 26º23’S.

Clima
O clima é ameno e distribuição de chuvas irregular durante o ano, com registros pluviométricos médios de 1200 / 1600mm de precipitação anual, o déficit hídrico é nulo. Apesar da isoterma ser relativamente baixa (16,3 °C como média anual), as temperaturas absolutas apresentam grandes contrastes pois chegam a ultrapassar 35°C positivos no verão no chamado Vale do Rio Natal, descendo a 5°C negativos nos campos altos do planalto no inverno, predominando, no entanto, valores médios entre 17 e 23°C durante o dia, na maior parte do ano.

Geomorfologia
A característica geográfica é de terreno extremamente acidentado, o que dificulta sobremaneira a prática da agricultura extensiva a grandes áreas, o que acabou por direcionar a economia do município ao modelo de atividade industrial, mas por outro lado com grande potencial para as práticas de lazer ecológico.

Meio ambiente
A cidade localiza-se em uma região de transição entre o complexo da Mata Atlântica, nas encostas da Serra do Mar e os campos de floresta sub-tropical de araucárias, tornando sua flora e fauna muito rica em número e variedade de espécies.
A Mata Atlântica ou tropical de encosta, denominada Floresta Ombrófila Densa, é uma mata higrófila (que gosta de água) latifoliada (plantas de diversas espécies) que possui muitas espécies de árvores como cedro, embaúba, peroba, etc. além de palmitos e outros vegetais como xaxins, cipós, bromélias, musgos, etc. É dominante originalmente nos vales dos rios Natal, Humboldt e Floresta, enquanto no planalto se confunde com a mata de Araucárias formando o que se denomina Floresta Ombrófila Mista – de Araucária e latifoliada, com ocorrência de alguns campos submontanos, caracteriza-se claramente uma zona de transição. Esses campos foram predominantes até tempos muito recentes, coisa de poucas centenas de anos, entre São Bento e Mafra. Essa formação vegetativa comprendia uma área que os geólogos denominam Formação Mafra e Formação Serra Alta do Grupo Geológico Itararé. Com a interferência humana advinda da colonização européia, esses campos perderam muito de suas características ao serem substituídos pela agricultura, pecuária e mais recentemente por reflorestamentos.

Geologia
A formação geológica da região do planalto de São Bento do Sul vai de pré-cambriana (de idade incerta correspondente até 3/4 dos tempos geológicos em que se formaram as rochas e o chamado complexo cristalino brasileiro) até zonas de formação na era cenozóica de existência bem mais recente (a partir de formações do período carbonífero até o terciário e quaternário que ocorreu “apenas” entre 60 e 70 milhões de anos atrás). Esta era geológica corresponde aos tempos da origem da Serra do Mar, submersão da faixa litorânea e no falhamento da borda oriental do continente sul-americano; compreende a região de Rio Natal, Bechelbronn, Bonpland, Floresta e Ano Bom.

A grande exuberância geológica e paisagística da Serra do Mar na região de São Bento do Sul é consequência deste falhamento. Os períodos quaternários recentes correspondem à formação dos sedimentos de várzeas (ex. Rio Banhados) e das planícies de inundação dos rios formando as bacias hidrográficas. Os depósitos de sedimentos fluviolacustres da bacia oriental secundária sul rios que correm diretamente para o Atlântico pela Serra do Mar (ex. rios Humboldt, Natal etc.) também são considerados quaternários.

História
A história de São Bento do Sul está ligada a Colônia Dona Francisca, empreendimento privado de colonização promovido pela Sociedade Colonizadora de 1849, em Hamburgo (Kolonisations Verein von 1849, in Hamburg), organizada na cidade portuária homônima, na Alemanha. Da colônia Dona Francisca evoluiram algumas extensões, a primeira dessas localizada nas margens do rio São Bento, que evoluiu mais tarde para o município de São Bento do Sul.
Uma das figuras mais importantes na história da cidade é Carl August Wunderwald, pioneiro agrimensor da Sociedade Colonizadora que explorou a região e concebeu a Estrada da Serra, hoje Estrada Dona Francisca.


14/05/10